Tudo dominado?

Aconteceu dia desses numa cidade exatamente entre o Pólo Sul e Pólo Norte. O rapaz desceu do carro, entrou na farmácia, comprou o remédio e, na volta ao carro, foi jogado no banco de trás. Três bandidos armados o levaram. Eram seis e meia da tarde, ninguém abriu o bico, ninguém viu, ninguém gritou nem era Carnaval.

Rumaram para um matagal meio longe dali. Em seguida, chegou alguém numa moto. Já eram quatro bandidos, todos quatro, tão despreocupados, nem esconderam os respectivos focinhos. O da moto pegou a chave e os documentos do carro e rumou para um estacionamento no Centro da cidade. Deixou o ‘tomove’ intacto e a chave com o porteiro.

Veio outro carro, pegou dois, deixou um com a vítima e foram ‘fazer’ o shopping com o cartão de crédito. Compraram tudo de grife, em lojas onde a família do rapaz jamais sonhou comprar, por falta de numerário. Foi uma festa. Nenhum, mas nenhum vendedor, desconfiou nem se mexeu para pedir um documento de identidade que fosse aos bandidos.

Experimente você, pessoa de bem, comprar com cartão. Vão pedir seus documentos e até o telefone do motel que a tia da sua vizinha freqüenta. Mas bandido, que nunca entrou naquelas lojas (nunca?), entra, compra, não lhe é exigido documento algum e sai sem ser incomodado.

Voltaram ao local onde o quarto bandido e a vitima ficaram. Entregaram ao rapaz o endereço e o comprovante do estacionamento e se mandaram. Todos quarentões, disse o jovem, todos bem vestidos, bem falantes, não usaram violência alguma e sumiram na escuridão. Ainda avisaram: “Está vendo aquelas luzinhas lá adiante? É a rodovia tal. Tchau.”

Eu, o último dos crédulos (só não acredito em político), acho que nenhum desses bandidos é amigo do dono ou de porteiro de qualquer estacionamento. Eu, o último dos ingênuos, tenho certeza de que nenhum desses criminosos age mancomunado com determinados funcionários de lojas de grife situadas naquela cidade entre o Pólo Sul e Pólo Norte. E creio, com viva fé e ardente piedade, que a polícia tudo fará para investigar e prender os marginais, porque ela não tem nada a ver com eles. Se forem presos, todos cumprirão a totalidade da pena, quer apostar?

Pregado no poste: “Se Indianápolis tem Fórmula Indy, por que Campinas não pode ter Cracolândia?!”

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *