Quem foi?

Vamos ver hoje quem adivinha os personagens de algumas histórias famosas passadas no Colégio Culto à Ciência. Quem acertar mais nomes ganha, na festa de sábado, a obra completa do José Sarney, para jogar no lixo depois (Você não será louco de levar isso pra casa.).

Uma aluna pediu ao professor de Biologia, coincidentemente casado com um a aluna:

— O senhor pode fazer o favor de nos descrever a dor do parto?     — Eu sugiro que a senhora experimente defecar uma melancia.       Que professora pediu ao seo Lauro que pusesse o Pinto pra fora? (Esclarecendo os fatos: seo Lauro era inspetor de alunos e Pinto, um aluno, lógico!)

Que diretor escreveu na caderneta de um aluno, que chegou sem gravata para a aula: “Suspenso dois dias por se apresentar ao colégio despido.”?

Aconteceu com dois ex-alunos que sábado deverão estar na festa, lá na Fonte São Paulo. Um deles entrou atrasado na aula do professor Inácio Landell, de Desenho, e o mestre perguntou:

— Por que o senhor está chegando só agora?

— Eu estava no banheiro, professor.

Em seguida, entra o outro:

— E o senhor?

— Eu estava ajudando ele, seo Inácio…

Um aluno estava na porta da sala, quando chegou a professora de Português. Ele, muito educado, permitiu que ela entrasse na frente. Ela entrou e cometeu esta pérola:

— Agradeço sua gentileza, mas o senhor vá para a Diretoria, porque nenhum aluno pode entrar na sala de aula depois do professor.

Quem substituiu seo Alo no comando da cantina? Como se chamava a nossa bibliotecária, filha de um ex-prefeito de Campinas, irmã de um grande artista e mãe de um piloto de Boeing? (Ele tirava o ronco do jato, quando passava sobre o colégio.)

Agora, eu pego todo mundo! Qual o número da sala de Trabalhos Manuais do professor Sylvio Salles Nogueira? E da sala de Canto Orfeônico, da querida Mariinha, na verdade um belo anfiteatro? Quem era o cobrador do Bonde 9? A filha dele deve ir à festa.

Que aluno saiu da aula às 17h30, peladão, pela Rua Culto à Ciência, e foi reconhecido por uma aluna? E quem é ela?

Um ex-aluno “segurou” um bonde sem freio no muque, na General Osório, perto do velho Cine Jequitibá. Até ganhou um prêmio, por ter salvado vários passageiros. (Professor Alexandre, é salvado ou salvo?)

E esta é a melhor de todas de todos os tempos:

Professor Alexandre: “O senhor tenha cuidado, porque sua insolência cresce em progressão aritmética, mas minha paciência se esgota em progressão geométrica!”

Sidney Levy: “Mas eu tenho minha razão!”

Pregado no poste: “Escola como essa, jamais!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *