Lembrando de brincar

Você se lembra daquela observação do inglês: “Ônibus de dois andares e cigarro, se fossem inventados hoje, seriam proibidos”? Pois é, não vou me meter. Primeiro, o campineiro Guilherme Nucci fala lá de Vila Velha, Espírito Santo; depois, o Carlos De Paula Neto responde aqui de Campinas. É um resumo, pois ainda não inventaram jornal de elástico.

“Quero relembrar alguns brinquedos da minha infância. Se as crianças de hoje, com um jogo de montar, constroem uma linda casa, nós fazíamos o mesmo com livros, tijolos, pedras de dominó… Traçávamos caminhos com tampinhas de garrafa. Com um cabo de vassoura como espingarda, vencíamos grandiosas batalhas. Com duas latinhas de massa de tomate e uma linha, falávamos numa ligação telefônica de nossa casa à do vizinho. Tinha muito apito. Dois, antológicos: uma gaita chatinha num formato de trapézio e outro, parecido com a noz do Tico & Teco, sempre em duas cores: a parte traseira vermelha e amarela, a dianteira. Um substituto do apito era uma cigarra de lata, com uma lingüetinha na parte inferior, que, em apertos sucessivos com o polegar, provocávamos um ‘clec-clec’. A lanchinha de álcool, feita de lata, pintada e bonita. Enchia-se a banheira, punha-se álcool no interior da lancha, ateava-se fogo e ela saía a navegar. As armas de brinquedo existiram desde sempre. Havia o revólver de espoleta e um punhal de plástico, cuja lâmina, por obra de uma mola, ocultava-se dentro do cabo na hora do golpe. Reloginho de pulso, trem de plástico, baralho de mico, bagatela, baldinho de areia e pazinha de lata pintados, jogo de dentista, conjunto de guarda — revólver com cinturão, cassetete, distintivo e apito –, almanaques, pega-varetas, pião de lata.”.

Fala, De Paula: “A lancha movida à álcool (tive várias e usava na banheira de casa, pode? ). Hoje, nem pensar. Já imaginaram os caras do Inmetro vendo um molequinho tomando banho de banheira com um negócio de metal cheio de álcool pegando fogo? A cigarrinha de metal então, nem pensar: pode ser engolida pelas crianças ou prender e cortar o dedo naquela mola afiada. Os piões de madeira com ponta de prego… Cruzes! Podem causar tétano depois de perfurar os dedinhos… Brincar de cowboy, necas! Armas de brinquedo?! (Algumas crianças de hoje realmente usam armas… de verdade!). Telefone com lata de massa de tomate aberta? Credo! Podem decepar um dedo em segundos… E aquelas massas de modelar à base de óleo, bem fedidas? Lambuzavam as mãos e o chão… Fora!  Os lápis de cor que a gente punha a ponta na língua para dissolver a tinta e pintar… De jeito nenhum, a criança pode se envenenar com isso… Mas hoje, pensando bem, que criança ainda quer brincar com aquelas coisas sem graça? Há opções incríveis e educativas: desenhos japoneses na TV, de monstros assassinos e lutas marciais, loiras esculturais (eu não disse culturais) ensinando menininhas a rebolar… Programas humorísticos que expõem deficientes físicos ao ridículo… É, somos politicamente corretos, seguros e ecológicos…”

Pregado no poste: “Puts!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *