Ave Maria!

Conforme combinado sábado, mais algumas preciosidades do livro “Os espantalhos”, do jornalista Sérgio Coelho. Vale a pena ler, vale a pena ter essa obra nas escolas. Ela conta muito do nosso saboroso folclore paulista. Nestes tempos de agronegócio e tecnologia no campo, os trabalhadores rurais, em boa hora, são trocados pela máquina; os sem-terra, enganados por políticos e até os passarinhos se mandaram. Então, para quê espantalhos? Em meio à caça dos protetores da agricultura, o Sérgio colheu, também, algumas crendices de antanho. Olhe que delícia:

Quando as abelhas fazem enxu na porta da casa, é sinal de fortuna para seu dono.

Galinha que canta como galo é agourenta para o dono da casa. Pode-se quebrar esse agoeiro cortando a cabeça dela e jogando-a no telhado. Galinha sapatão, Sérgio?

Para a proteção da criança contra a bruxa, põe-se embaixo do travesseiro uma tesoura aberta. O aço é receita universal contra os bruxados. Em Capela do Alto, usa-se colocar a tesoura embaixo da cama.

Aranha aparecendo na sala é vista para breve.

Quando o cão uiva alto à noite, o dono o recolhe. Se continuar uivando, sendo o dono corajoso, benze-se, pega uma peneira grossa e ficará de cócoras na frente do cão, pois assim, ele enxergará o que está metendo medo no seu cão, ou seja, o inferno. Quero ver ficar de cócoras na frente de um pitebul.

Se alguém tiver um sonho mau à noite, deve coçar a cabeça e esconjurar, antes de se levantar, pois é assim que ele não se realiza. Se foi um sonho bom, antes de lavar o rosto e quebrar o jejum, deve contá-lo, mesmo que seja a uma criança, assim ele se concretiza.

Quem reza o “crendos padre” (o Credo) de trás para diante faz um grande pecado, mas ouvirá o barulho do inferno e poderá abrir qualquer porta fechada à chave ou à tranca.

Para ficar invisível, a receita é rezar a oração de São Marcos ou de São João, jogando para cima dos ombros ou para trás, sem se voltar, um punhado de terra ou areia.

Comer jiló na manhã de Sexta-feira Santa protege a família contra o veneno das cobras.

Defunto com pescoço mole vai levar outro da casa.

Quem matar um gato deverá matar sete para não ficar asmático. Quantos novos asmáticos existem lá pras bandas da Lagoa do Taquaral?

Para se descobrir o assassino, enterra-se debruço o assassinado. Deus me livre!

Se o dono ou outra pessoa vir um cachorro se arrastando, faça o mesmo e receberá muito dinheiro, na certa. Já pensou um cão se arrastando no Largo do Rosário e todo mundo… Que cena, meu Deus!

Pregado no poste: “Não cobiçar a mulher do próximo nem odiar o próximo da mulher”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *