A rica herança de Hércules Florence

Neste sábado, Campinas ganhará como cidadão outro filho ilustre da família Florence. Em 81 anos de vida bem vivida, 55 ao lado de sua Martha Maricato, foi advogado do Banco do Brasil, é agricultor, criador de abelhas e escritor. Tem romance, contos, crônicas e peças premiados em várias capitais. “Escreve por compulsão; fala e escreve em inglês, francês e italiano e se dedica de corpo e alma à agricultura”, diz seu filho Francisco, um dos seis “Florences” que José Geraldo Motta criou e educou para o mundo, todos orgulhosos componentes da quarta geração de descendentes daquele que fez de Campinas berço da fotografia.

Assim como o patriarca, José Geraldo escolheu esta terra para viver e orgulhar. O bisavô veio de Nimes aos 20 anos, em 1824, como típico aventureiro que sabe o que quer. Percorreu o Brasil, na memorável e inacreditável “Missão Langsdorff” – não fosse ele, nada se saberia do que foi aquele autêntica bandeira do século XIX. Florence escreveu e desenhou tudo o que viu. Patrocinado pelos czares Alexandre I e Nicolau I, o grupo saiu do Rio de Janeiro, passou por aqui e Porto Feliz, atravessou Mato Grosso e Pará. Langsdorff ficou louco na viagem, que durou quatro anos. Em 1830, nosso herói casou-se com Maria Angélica Álvares Machado, que conhecera em Porto Feliz, e decidiu morar em Campinas.

José Geraldo também começou a carreira no Rio de Janeiro, e depois de passar por Campinas e se aposentar em Belém do Pará (mesmo lugar onde seu bisavô terminou a missão), veio viver aqui pertinho, em Santo Antônio do Pinhal. Aqui deixou várias marcas, entre elas a sede da Associação Atlética Banco do Brasil, que ajudou a construir; sua atividade à frente da agência do maior banco do país e no tradicional Clube dos 21 Irmãos Amigos – tempo em que o Brasil tinha 21 estados e cada ‘irmão’ representava um. Nosso novo conterrâneo, um dos fundadores dessa entidade, hoje é seu vice-presidente nacional e há 40 anos representa o estado do Espírito Santo.

Hércules Florence é reconhecido mundialmente como um dos inventores isolados da fotografia. Não recebeu o título honorífico de “Cidadão Campineiro” – e precisa? –, mas o vereador Romeu Santini criou o “Pergaminho de Mérito Fotográfico Hércules Florence”, para premiar trabalhos de destaque dos fotógrafos da cidade. Agora, a mesma Câmara reconhece o mérito e a campineiridade do nosso José Geraldo.

Pregado no poste: “Dona Izalene, o prefeito de Ribeirão Preto vai renunciar…”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *