Morre Bob Nelson, campineiro ídolo de Roberto e Erasmo

Só falta a Festa do Peão, que acontece em Barretos, não prestar homenagem ao iniciador de tudo isso: morreu no Rio de Janeiro Bob Nelson, o “Vaqueiro Alegre”, ídolo de Roberto e Erasmo Carlos, que compuseram para ele “A lenda de Bob Nelson”, em 1974. Apareceu pela última vez na TV no ano passado, em homenagem que lhe prestou outro grande fã: Jô Soares. Bob teve uma parada cardíaca. Nem houve tempo para ser socorrido.

Ele era o filho da dona da pensão. Naquele tempo, Hotel Dalva, na Andrade de Neves O primeiro caubói brasileiro era campineiro. Caubói de verdade, de calça rancheira, revólver na cinta e chapéu que não caía nem com surra de todos os bandidos. Mas caubói que se preza não pode, nunca, se chamar Nelson Roberto Perez. Veja se isso é nome do mocinho!

Então, virou Bob Nelson, aqui nascido pelas bandas de 1918, filho do espanhol José Perez, ferroviário da Mogiana, e de dona Florismina. Fez o grupo escolar no anexo da Escola Normal e se formou contador na Escola de Comércio São Luiz. Antes de ser ‘crooner’ do Julinho e solista do conjunto ‘Cacique’, na Rádio Educadora, trabalhou na Mogiana, foi contador do Frigorífico Armour, vendedor das meias ‘Etehel’ e caixeiro-viajante. Quando Carmen Miranda se apresentou em Campinas em 1939, ele e Paulinho Nogueira tocaram para ela.

Uma noite, depois de assistir ao filme ‘Idílio Nos Alpes’, no Cine Rink, Barão com Conceição, começou a se comunicar com um amigo à maneira das montanhas do Tirol, como o caubói-cantor Gene Autry: “Tiro lei-í-te…”. Deu um jeitinho e adaptou o enorrrme sucesso “Oh Suzana!”, de Stephen Foster, e arrebatou multidões, dos serviços de alto-falantes dos coretos das pracinhas aos cassinos, teatros e rádios do Rio de São Paulo.

Fez dupla com Libertad Lamarque e Gregório Barrios, acompanhado por Luiz Gonzaga – Gonzagão em início de carreira. Na voz de Bob, Suzana vendeu mais de 300 mil cópias nos anos 40. De 1946 a 1971, fez uns dez filmes, entre eles “Este Mundo É Um Pandeiro” (1946), “Segura Essa Mulher” (1946) e “É Com Este Que Eu Vou”. . Cantou também para o general texano Douglas McArtrhur, aquele que fez o Japão assinar a rendição na Segunda Guerra. Aposentou na Rádio Nacional do Rio de Janeiro, em 1976.

Bob casou-se com Antonietta Leal Perez, em 1950, e tiveram dois filhos, Nelson Roberto e Eduardo José, e dois netos, Luciana Antonela e Victor Eduardo. Foi sepultado na manhã de sábado no cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *