Fome zero, holofotes dez

Antigamente, era assim: “Quer aparecer? Pendure uma melancia no pescoço.”. Hoje, quem gosta de aparecer é chamado de “LPM” – Louco por Mídia. Mas nestes tempos Luláticos, novidade! Quem quer aparecer anuncia que vai doar alguma coisinha para o programa Fome Zero, do Zé Francisco Graziano (Gente fina esse moço, que saiu do Guanabara, ali pertinho da Vanucci, para o mundo. Rua Pedro Anderson, 90, Zé?).

Você beijou a Gisele, Zé? Vai ter de beijar a Vera Loyola, também? Só a cachorrinha que doou o colar? Ainda bem! Já pensou? Cachorro de madame não tem coleira, ‘que nem’ os nossos; tem colar. Quem nos conhece, Zé, disse que aquele momento da São Paulo Féchion Uíque juntou a fome (zero) com a vontade de comer (dez)…

Maldade. Isso não se faz com o titular da ponta-direita do time da primeira série do Colégio “Culto à Ciência” de 1961. Escalado pelo professor Stucchi! Ponta-direita… As voltas que o mundo dá. O ponta-esquerda era o Mário Nakano. Para completar o ataque do único time que ganhou do Ginásio Bento Quirino naquele ano, Sampaio, na meia-direita, Guilherme (Pelé) Amâncio, na meia-esquerda, e o Nelson Junque Júnior de centro-avante.  Quem mais? Fausto Silva de goleiro? Jurandir José Panunto, João Donadon, Dario Panazzolo… Lembra-se deles, ministro? Eu era suplente do reserva do gandula.

Voltando à fome do Zé, o que vão doar, só para aparecer nos meios de comunicação? O que o Guarani daria para que todos se esquecessem de que ele caiu para a segundona? A Ponte daria alguns tijolos do “Moisés Lucarelli” que deveriam estar na Escola de Cadetes? Fique tranqüilo padre Caran, não vou dizer que o senhor doaria um Alecrim. Aquelas menininhas que adoram dar gritinhos nos treinos e na porta dos vestiários dariam camisinhas, digo, camisas autografadas pelo ídolo? Tão cínicos, Bush e Sadam darão máscaras contra gás (ou gases). Os camelôs oferecerão CDs piratas? Os “pastores” daquelas igrejas caça-níqueis doariam o movimento de um dia da coleta do dízimo? Duvido. Será que os bancos dariam 0,00meio%, que seja, do juro que cobram? A Telefonica daria o valor da ligação de quem fez um interurbano para o número errado que ela mesma forneceu? Dá uma boa grana, Zé. E trilhos de bonde? Será que ele dá? Nem empresta?! Quanto cada político de descontaria do próprio salário? Zé, o Programa Fome Zero aceita uma prefeita? E as vítimas da fome, com pena da gente, dariam um secretário da Cultura para a cidade?

Pregado no poste: “Conselheiros da Ponte, onde foi investido o dinheiro da venda do André Cruz?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *