Seja feita a vossa vontade

Oh, nosso mui amado e querido guia genial Luís Inácio da Silva! Como está gostoso viver no País que suas santas mãos abençoam! Como é lindo ver o espetáculo do crescimento ao amanhecer, seja no Raso da Catarina, na Caatinga ou nos assentamentos mais produtivos do mundo. Naquilo, sim, a riqueza abunda do úbere da terra agradecida por sua dedicação ao homem do campo, da Ponte, do Guarani ou do Flamengo. Inda hoje, vi uma criança chorando junto aos pés da mãe. Pasme! Era de alegria, oh esplendoroso governante nosso de todas as horas! Tudo porque um arauto passara por ali anunciando leite para dali a dois meses. A pequenina beberá primeira gota de leite desde que desmamou, há três anos. Graças pela fartura, oh, engalanado supremo do Planalto! O esquálido Lulu daquela infante avisa que abana o rabo de felicidade para sua Michele.

Amantíssima, lindíssima e sereníssima Izalene Thiene, nossa elegantíssima, garbosa e generosíssima mestra-sala dos lares, comandante-em-chefa destas campinas gentis, por obra e graça de Deus. Nós vos rendemos alhures e fulguras pela pacífica grandiosidade de nossa urbe. Não vêem, oh, cegados pela maldade, que nossa sociedade civil, militar e eclesiástica organizada, jamais subjugada, mas enganada pelos interesses daquela mídia denuncista, vive e viceja o momento mágico da total e fulgurosa prosperidade, de bem-estar e mansidão? Vêem que flores há nos ninhos, a natureza a reflorir nos vossos olhares, porque ribomba e retumba de felicidade a cordilheira de bondade que emana dos Jequitibás.

Estupefatos e gratos estamos, oh, santa, pura e bela alcaidessa!

Extáticos e estáticos, embasbacamo-nos com o brilhante desfilar de sábias decisões esparramadas por sobre nossas almas, sem que recitemos ao confiteor. Hoje, por exemplo, eu, pecador, me confesso à senhora, toda-poderosa, que jamais pequei por pensamentos, palavras e obras. Enquanto a senhora, oh, gênia das arcadas do Oziel e camelódromos mil, nunca pecou por pensamentos, nem palavras, muito menos obras… Embora seus magníficos áulicos e acólitos obrem em abundância sobre nossa amada terra tão bem cuidada por vossas mãos de fada.

A cada luminosa manhã, clamamos e suplicamos aos Céus que a conservem nos seus mais imbuídos encômios, para nossa alegria, esfuziante felicidade e seu ubérrimo pundonor.

Não se assuste, oh, basbaque leitor. Com o advento à sorrelfa, de sorrate e à socapa, do novel Conselho Federal de Jornalismo, você estará livre de saber das maldades dos governantes e políticos contra o povo. Só nesse tom bajulatório será possível fazer jornalismo. Que será obrado diariamente para satisfazer o ego de falsos democratas. Tudo em nome da proteção, segurança e felicidade geral dos que comandam a Nação e infelicidade total dos nacionais.

Pregado no poste: “Governo de consciência tranqüila não teme a liberdade de imprensa”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *