Quando éramos eleitos

Nada mais justo Campinas receber vôos da China. Afinal, o primeiro pouso do Concorde foi aqui e Santos Dumont saiu daqui. Já que não deu certo emplacar a Fórmula Indy, nosso alcaide pode dar um pulo na Nasa e negociar o primeiro vôo Viracopos-Lua, com escala no Mar da Tranquilidade. Sonhamos alto: como não seremos subsede da Copa do Mundo, que pelo menos o campo da Ponte e os estádios do Guarani e do Mogiana sirvam para a Olimpíada. Remo, vela e esqui aquático na Lagoa do Taquaral, mais palitinho, buraco, rouba-monte, mico, caixeta e dama, no convés da caravela ancorada (ou naufragada). Xadrez, no cadeião do São Bernardo.

Qualquer prazer diverte, para manter a cidade no centro do mundo e sua população, orgulhosa, pensando que foi assim que conquistamos a justa fama.

Distorcem tudo. Minha sobrinha conta que quando há jogos entre Unicamp e outras universidades, o jargão, medíocre, ecoa: “Uau, uau, uau, eu faço estadual!”. Rima pobre. Para exibir a derrocada do ensino e todos no mesmo saco, um aluno da “Unissaia”, ou “Miniban”, sei lá, disse na TV, que o estupro moral da moça “foi uma descriminação para degrenir a escola”. Se nos áureos tempos do “Culto à Ciência” a torcida rimasse “uau” com “estadual”, mestra Quinita daria zero pra todo mundo em Português. Pela rima indigente e pelo preconceito.

Para começo de conversa, importante seria ver Campinas procurada pelo governo da China interessado em pousar os aviões de suas empresas aqui. Isso revela a importância de uma cidade. Assim como foi o Consórcio Franco-Britânico que escolheu Viracopos para pousar o vôo inaugural do supersônico Concorde na América do Sul. Velhos lobos da Fórmula Um, Chico Landi, Benedito Lopes, Pintacuda e Giuseppe Farina preferiram Campinas para se mostrar numa prova de rua. Chico Landi procurou nossa Cervejaria Colúmbia e fez da cerveja Mossoró a primeira patrocinadora de um carro da F-1 (sabia?).

Nada disso foi obra de marketing de aldeia.

Henrique Dumont sabia que o melhor estudo para seu filho Alberto Santos Dumont estava no nosso Colégio Culto à Ciência. “O Estado de S. Paulo” é um jornal paulistano, mas sua ata de fundação, seu registro de nascimento, foi redigida aqui, no Hotel Pinheiro – pertinho de onde era a Escola Alemã, enraizada em Campinas, uma das mais antigas escolas particulares do Brasil. O imperador Pedro II decidiu que seria aqui o Instituto Agronômico. Sarah Bernhardt achou melhor Campinas para abrir sua temporada da “Dama das Camélias”.

Chega ou quer mais?

Pregado no poste: “O que nos orgulha são nossas raízes, não marcas”

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *