Prezado secretário Gabriel Chalitta

Meus respeitos. Um instante de sua atenção, por favor, que o assunto pode ser, a um só tempo, fatal e auspicioso para a sociedade. Depende do senhor. Leia a mensagem que recebi da nossa mestra Joaquina Elisa Ribeiro Sampaio de Mello Serrano – ela tem esse nome pomposo de presidente da Academia Intergalática de Letras, mas é pessoa simples como nós, abençoada como poucas. Tanto que todos a chamam de Quinita.

         “Queria contar-lhe que visitei o ‘Culto à Ciência’ e voltei maravilhada com o que me foi dado ver. O Colégio está sob novo comando. Assumiu sua direção uma extraordinária mulher, Yacy Sávio de Oliveira, que, em pouquíssimo tempo, logrou devolver a aura de dignidade que por mais de século se respirava naquele templo. Recebeu-me sobranceira e fidalga, entusiasta até o imo da alma por seu trabalho, o que me fez ter certeza de que sua atuação magnífica nada mais é do que o reflexo da sua pessoa, do que o espelho de seu caráter. Yacy Sávio está recriando o Culto à Ciência, à sua imagem e semelhança. Volto a dizer-lhe: estou maravilhada! Fui ao Colégio, para cumprir um desejo que vinha acalentando desde o final de 2002. Precisava tomar providências que salvassem os antigos retratos de professores e diretores, que jaziam empilhados num armário da antiga Biblioteca, seriamente comprometidos por uma infestação, talvez de cupins.  Com muito carinho, Quinita”

Prezado mestre Chalitta (sei que sua competência orgulha São Paulo), essa diretora Yacy Sávio (não a conheço, jamais a vi) é a mesma que, no tempo do Mário Covas, salvou da sanha de vândalos e traficantes a Escola Estadual “Pedro Salvetti Neto”, da comunidade Ipiranga, nestas Campinas. Por um motivo cretino, desses arranjados por políticos, ela não pôde continuar o trabalho lá. Agora, graças a Deus, assumiu o “Culto à Ciência” e em três meses ali já há outra escola, um símbolo para a gestão do senhor.

O “Culto”, prezado mestre, é uma das escolas públicas mais antigas em atividade no Brasil. Fez 130 anos, no ano passado. Foi a melhor do País por quase um século – palavra de ex-alunos e de quem não conseguiu estudar lá. Mas depois que a ditadura militar se instalou e São Paulo passou a ser governada por aquilo que o senhor conhece, nunca mais conseguiu se recompor. Com a ajuda da “Sociedade Amigos do Culto à Ciência”, em três meses, essa ilustre servidora de sua nobre Secretaria da Educação mostrou quanto vale. Até traficantes já tomavam conta da nossa escola. Nossa, sempre, porque para quem estudou lá, o sonho não acaba. Onde há dignidade, competência e amor aos jovens, o crime não vinga. De que lado o senhor está, mestre Chalitta? Se for do nosso, deixe dona Yacy na nossa escola.

Pregado no poste: “Estaremos com ela. E com o senhor”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *