Preconceito?

A Soninha Francini foi expulsa da TV Cultura porque disse fumar maconha, de vez em quando. (Se confessasse fumar sempre, teria ficado no emprego?). A TV alegou, justamente, que ela deu mau exemplo aos telespectadores, principalmente aos adolescentes, público alvo do seu programa, o “RG”. Esta semana, todo mundo viu a cantora (e que cantora!) Dionne Warwick detida com onze cigarros de maconha no aeroporto de Miami. Quero ver a Cultura banir a diva Dionne de sua programação, quando apresentar uma daquelas reminiscências da história da TV brasileira. Também vai banir a Elis, o Cazuza, a Cássia, o Renato, a… o…?

Esta ilustre senhora, ganhadora de cinco prêmios “Vozozinha”, guarda uma relação polêmica com o Brasil. Hoje, tem até casa no Jardim Botânico, ali pertinho da casa do doutor Roberto, o Marinho, dono do Brasil, digo, da TV Globo. Mas quando ela veio pela primeira vez, há uns trinta anos, foi um escândalo.

Trazida pela TV Record, quando ‘aquilo’ era uma emissora de TV, desembarcou em Viracopos numa manhã de domingo. Pouca gente para esperá-la. O jornalista Ferreira Neto, fazendo as honras da anfitriã, e este locutor quer vos escreve, acompanhado do fotógrafo Antônio Carlos Erbolato, para que na segunda-feira o Jornal da Tarde noticiasse a chegada daquela que chamavam, na época, de “maior cantora americana”. E se era americana, era “do mundo”.

Vergonha! Se eu fosse o doutor Paulo Machado de Carvalho a teria mandado de volta, com o contrato rasgado e picado no bolso daquele jaquetão bege, feio pra dedéu. No pé da escada do avião, deu um “chega pra lá” no Ferreira, não quis falar com ninguém e se mandou para a alfândega, com ar soberbo de mulher “tá-se” (Sabe o que é mulher tá-se? É “tá-se achando o máximo”, segundo invenção do André, filho do Beto Godoy.).

No saguão do aeroporto, outra demonstração daquela “civilidade” indigna de Martin Luther King. Um grupo de jovens e de crianças negros se aproximou para entregar-lhe um buquê de rosas. Ela pegou as flores sem olhar nem sorrir para eles e atirou com força no chão do carro – sentou no banco traseiro, pisou na homenagem e fez o motorista arrancar à toda.

O Jornal da Tarde daquela segunda-feira esculhambou a diva na primeira página. Hebe Camargo, em seu programa na Jovem Pan, dizia que o empresário apresentava as desculpas da Dionne aos brasileiros. Alegou o “cansaço” da viagem.

Pregado no poste: “Cansados estamos nós, Tio Sam”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *