Para distrair o dente

Na Bolívia, já existe um refrigerante feito com folha de coca chamado “Coca Colla”. Foi então que o companheiro Lulla desdenhou o ‘cumpanheiro’ Morales: “No Brasil, se misturar com Tubaína, vira “Coca-ina”? Se a bebida for de suco de mamão, a papaína deixará seus dentes mais limpos do que nunca antes na história deste País, presi(dente). É o que conta a repórter Patrícia Azevedo, depois de entrevistar a odontopediatra Sandra Bkalil Bussadori. Um dia, sua mãe, nutricionista, contou que a papaína da casca do mamão amacia a carne. A filha testou a enzima na remoção de cáries. Na hora, decretou a extinção do grande pavor que o povo tem do dentista: o motorzinho.

Ninguém tem medo do dentista, mas daquela engenhoca… A farmacêutica Márcia Miziara sugeriu um gel para a Sandra e o milagre então se deu. Eu, que sou do tempo do motorzinho movido a pedal, no quintal da casa do meu saudoso vizinho Ariovaldo Pirotelo, sei quanto dói. Doía mais quando ele pedalava e cantava: “Kalú, Kalú / Tira o verde desses óios de riba d’eu / Kalú, Kalú / Não me tente / Se você já me esqueceu”. Dalva de Oliveira. (Com essa cantoria ele ‘distraía’ o dente – com seis anos, você acha que eu ia saber o que é ‘extrair’?)

Depois, veio o motor elétrico, mas a broca continuava firme, como arco de pua furando o dente. Finalmente, motor a jato, o jato com água e… não adiantou nada. A dor, ali. Com a pesquisa dessa dupla, o Lulla vai até lançar o “bolsa dente”. Afinal, elas fazem por R$ 49,00 (e dá para 60 aplicações), enquanto o único importado custa 200 cacetadas.

(Ó Sandra, acho que se sua mãe aperfeiçoar a cera de carnaúba e o vinil, voltam os discos 78 e long-play. Sabe o que isso significa? O fim do CD pirata! E os camelôs que dividem essa fraude com o crime organizado vão se ferrar! Alguém vai falsificar um ‘discão’ daqueles?

Dedico esta nossa conversa a dentistas campineiros que jamais pedalaram, mas sempre curaram ou ainda curam: Teófilo Ribeiro de Camargo, Alélia Maia, Bruno Spoladore, Elisabeth Paes Portes, Marisa Guido Rossi Simões, Moacyr Pazinato e Aluísio Douglas Ferrari, repórter volante da PRC-9, que tinha consultório ali na Delfino Cintra com Professor Luiz Rosa, antiga casa do seo Jacinto.

Pregado no poste: “Certos amigos da dona Vândala nem imaginam o que é arrancar uma cárie a pedalada…”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *