Ontem e hoje

A Meyre Raquel Tosi, ‘La’ Fênix, vale-se da sua condição privilegiada de bibliotecária-mor da Puccamp para mostrar às amigas que, um dia, o mundo já foi dos homens. Saudade, ‘La’?

“Não se deve irritar o homem com ciúmes e dúvidas”. (Jornal das Moças, 1957)‏

É melhor irritá-lo com cerveja sem gelo e dizer que sua mãe está para chegar.

“Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afeto, sem questioná-lo”. (Revista Claudia, 1962)

Hillary Clinton acariciava o pecoço do Bill atrás de batom no colarinho, enquanto o FBI achava mancha de outra coisa no vestido da Monika.‏

“A desordem em um banheiro desperta no marido a vontade de ir tomar banho fora de casa”. (Jornal das Moças, 1965)‏

Afinal, a banheira da vizinha é sempre mais gorda…

“A mulher deve fazer o marido descansar nas horas vagas, servindo-lhe uma cerveja bem gelada. Nada de incomodá-lo com serviços ou notícias domésticas”. (Jornal das Moças, 1959)

Mesmo que a empregada diga que está grávida dele. ‏

“Se o seu marido fuma, não discuta pelo simples facto de cair cinzas no tapete. Tenha cinzeiros espalhados por toda casa”.  (Jornal das Moças, 1957)‏

Se eu acender um cigarro perto dela, todos os cinzeiros virão sobre minha cabeça…

“Noivado longo é um perigo, mas nunca sugira o matrimônio. Ele é quem decide — sempre”. (Revista Querida, 1953)‏

Faça-o esquecer-se de que a vida de solteiro é vazia e a de casado enche.

“Sempre que o homem sair com os amigos e voltar tarde da noite, espere-o linda, cheirosa e dócil”. (Jornal das Moças, 1958)

‏            E diga a ele que esse perfume era de um dos amigos que a levaram para a balada…

“É fundamental manter sempre a aparência impecável diante do marido”. (Jornal das Moças, 1957)‏

Para que suas amigas vejam o buxo que agora tem a seu lado…

“A esposa deve vestir-se depois de casada com a mesma elegância de solteira, pois é preciso lembrar-se de que a caça já foi feita, mas é preciso mantê-la bem presa.” (Jornal das Moças, 1955)‏

Ai daquela que tentar atrair essa presa!

“O lugar de mulher é no lar. O trabalho fora de casa masculiniza”. (Revista Querida, 1955)‏

Então, você já sabe: mulher que trabalha fora de casa calça 44 bico largo.

Pregado no poste: “O Brasil acaba com os políticos ou os políticos acabam com as saúvas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *