O que é aquilo, companheiro?

Aquele mundo de crianças morrendo todos os dias, assassinadas pelo descaso das autoridades? Você quer saber, mesmo?
Aquela legião de famintos, vagando pelas estradas, em meio a caminhões que passam carregados de alimentos? Você quer saber, mesmo?
Aquelas florestas ardendo em chamas, cercadas de toras abatidas por empresas autorizadas pelo governo? Você quer saber, mesmo?
Aqueles rios caudalosos, agora quase parados e quase mortos, carregados de lixo das indústrias e de esgoto das cidades? Você quer saber, mesmo?
Aqueles mares sujos, manchados e envenenados pelo petróleo daqui e de fora, queimado para intoxicar o povo? Você quer saber, mesmo?
Aquela multidão clamando por plantar na beira de um chão que clama por semeadura, mas é desprezado por seu dono?
Aquele látex sangrado nos seringais, que só volta em forma de pneus importados? Você quer saber, mesmo?
Aquelas mãos, são milhares de mãos, segurando faixas, implorando por salários dignos e em dia? Você quer saber, mesmo?
Aquela fila de velhinhos, esperando o banco abrir, depois de anos e anos de trabalho? Você quer saber, mesmo?
Aquele bando de camelôs, desesperados desempregados, prontos para vender até os filhos, para que não morram de fome? Você quer saber, mesmo?
Aqueles anúncios de jornal, com gente oferecendo o próprio, rim, parte do fígado, os olhos da cara, até a medula, para sobreviver? Você quer saber, mesmo?
Aquelas lanchonetes que jogam no lixo o sanduíche que não ficou pronto a tempo? Aquela, perto daquela creche? Você quer saber, mesmo?
Aquela montanha de frutas, verduras, legumes e ovos, levada para o lixo, porque se entrar no mercado, o preço cai? Você quer saber, mesmo?
Aquelas emissoras de rádio e de televisão explorando o lenocínio religioso ou aquelas explorando a credulidade do povo, em vez de educar? Você quer saber, mesmo?
Aqueles políticos “representantes do povo”, que não vivem como o povo que “representam”, mas vivem do povo que “representam”? Você quer saber, mesmo?
Aquelas ervas medicinais roubadas do campo em que vicejam para voltar do Exterior em forma de remédios caríssimos? Você quer saber, mesmo?
Aqueles carros a álcool, mas todos importados, viajando em meio aos canaviais mais produtivos do mundo? Você quer saber, mesmo?
Aqueles hospitais públicos, onde o público morre por falta de estrutura de atendimento? Você quer saber, mesmo?
Aqueles milhões que o povo paga para a saúde cada vez que faz um cheque, mas fica cada vez mais carente de amparo para sua saúde? Você quer saber, mesmo?
Aquelas escolas públicas em que não há vagas para as crianças cujos pais pagam impostos para educá-las? Você quer saber, mesmo?
Aqueles ladrões de galinha na cadeia e aqueles ladrões de milhões debochando da Justiça? Você quer saber, mesmo?
Aquela legião de enganados, comprando o que não precisam, só porque uma tela dentro de suas casas os seduziu? Você quer saber, mesmo?
Aquela epidemia que atinge a nação a cada dois anos, prometendo no palanque e fingindo no cargo? Você quer saber, mesmo?
Você quer saber o que é aquilo, companheiro?
Aquilo é o Brasil.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *