O menino mambembe

“Menino mambembe, saiba você, a gente põe “m” na frente do “pebê”. Menino bobão, saiba você, hoje tem “h” e ontem não tem não. Você se lembra daquelas regrinhas para memorizar lições de Português, Química, Matemática, Biologia…? Pois é. Muita gente pensa que essa forma de fazer os alunos guardarem na cachola as ditas cujas foi inventada nos cursinhos da vida. Que nada. Nem nos cursinhos, muito menos nos cursilhos… O menino mambembe e o bobão, por exemplo, aprendi no primário.

Os planetas? O Colégio Sagrado Coração de Jesus ensinava assim: “Minha velha, traga meu jantar: sopa, uva, nozes e pão.”. No Colégio Rio Branco era assim: “Memapevetunsj”. Um por ordem de tamanho e o outro, pela distância do sol.

No mesmo Rio Branco, o Mínimo Múltiplo Comum (MMC) virava “Maria Marcolina do Carmo” e o Máximo Divisor Comum (MDC), “Maria Dolores do Carmo.”. Parece complicado, mas faz mais de meio século e continua inesquecível. Já o MDC… fui atrás de um livro do Ary Quintela.

Esse é meio bobo: “Eixo Ro-ber-to” — Roma, Berlim, Tóquio, aliados na Segunda Guerra.

Nossos mestres também tinham seus macetes. Por exemplo: para anotar as notas em suas cadernetas, alguns usavam a palavra “Pernambuco”: dez letras diferentes com as notas de 1 (P) a 10 (0). Outros adotavam “No pé da cruz”.

Veja as famílias da tabela periódica dos elementos químicos: “Hoje, Li Na Kama Robson Crusoe Francês”, o que significa, com base nas letras dos símbolos, Hidrogênio, Lítio, Sódio, Potássio (Ka), Rubídio, Césio e Frâncio. Ou “Beth Magrela Casou-se com o Sr. Barão”: Berílio, Magnésio, Cálcio, Estrôncio (Sr), Bário e Rádio. Mais? “Hélio e Neide Arrumaram Krianças Xeretas e Ranhetas: “Hélio, Neônio, Argônio, Kriptônio, Xenônio e Radônio”. E “Os sete porquinhos”: Oxigênio, Enxofre (S), Selênio, Telúrio e Polônio”. Incrível, né?

Por falar em Química, o professor Fiorelo, mestre na matéria, certa vez ensinou a um menino aturdido os “números relativos” da Matemática. Como decorar aquelas regras do “mais com mais = mais; mais com menos = menos; e menos com menos = mais?” Então, ele disse: “O amigo do meu amigo é meu amigo. O amigo do meu inimigo é meu inimigo. Mas o inimigo do meu inimigo é meu amigo.”. Ainda na Química, para saber que sulfuroso vira sulfito e sulfúrico vira sulfato, não se esquecer de que o “pernicioso mosquito morreu no bico do pato”, como lembra o embaixador Guilherme Nucci.

Biologia? As fases da mitose são prófase, metáfase, anáfase, telófase ou “prometa a ana telefonar”. E as da meiose, “lezipadidi”: leptóteno, zigóteno, paquíteno, diplóteno e diacinese. Fácil, principalmente porque eu tenho uma “tia Sinésia”…

Pregado no poste: “Dona Izalene é candidata!?”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *