O invento é nosso, mas o pai é deles

Já reparou quantos inventos de brasileiros são roubados e entregues a gente do Primeiro Mundo? É uma imensidão. A começar por esta nossa cidade, fundada pelo taubateano Barreto Leme, mas por ordem de Portugal, a mando do morgado de Matheus. E o rádio? Até os Estados Unidos, acostumados a ‘levar’ nossos inventos para eles, reconhecem (com patente e tudo) o padre Landell, como inventor da radiofonia sem fio e o principio do telefone celular, nas Campinas de 1892. Mas os italianos insistem no Guilherme Marconi, que só chegou ao mesmo lugar em 1895. Em 1905, esse nosso padre quis mostrar seu invento ao então presidente Rodrigues Alves, que nem o recebeu e ainda o chamou de “maluco”. Dezessete anos depois, o governo do Brasil (um pior do que o outro) pediu a Marconi que, da Itália, iluminasse o Cristo Redentor…

Está na cara que o bailado “A dança das horas”, que virou rock’n roll na cabeça do Bill Haley, é do Carlos Gomes, que doou a encomenda a um agradecido e reconhecido Amilcare Ponchielli. Tá bom! O telefone foi Graham Bell, mas o primeiro a falar nele foi Pedro II. “Meu Deus, isto fala!”, espantou-se o imperador ao ouvir a voz de Bell do outro lado. Hoje, d. Pedro pegaria o telefone e diria: “Meu Deus, isto não fala!”.

Já ouvi falar que foi um alemão, Roentgen, mas o inventor da abreugrafia é o médico brasileiro Manuel Dias de Abreu, em 1916. Esse alemão inventou a radiografia (Dona Izalene, avise sua amiga que o Manuel Dias de Abreu não é pai da Fernanda nem da Cláudia Abreu, se não ela já vai mandar cartinha para mim, me esculhambando.).

Tem a da máquina de escrever, obra reconhecida mundialmente do padre (outro!) paraibano Francisco João de Azevedo, em 1861, mas os americanos dizem que foi Philo Remington. No fundo, diria ele, “Não phi-lo, só copiei-o”…

O avião? Santos Dumont, estudante do Culto à Ciência e fã de Campinas, inventou, mas quem leva a fama são os irmãos Wright.

Deixei para o fim, para homenagear o verdadeiro inventor da fotografia, o campineiro nascido na França há exatamente 200 anos, grande figura humana, Hércules Florence. Amanhã, centenas de dignos e orgulhos descendentes dele se vão reunir no The Royal Palm Plaza, para celebrar o bicentenário. Parabéns, “Florences”! Vocês orgulham todo lugar, felizmente o Hércules escolheu Campinas e nós somos orgulhosos, sim, também por causa dele. E de vocês!

Pregado no poste: “O trabalho enobrece, a política apodrece”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *