O cavalo do capitão

Mais uma da série “Este interiorzão tem cada uma!”. Esta aconteceu naquela cidade onde o sargento mandou o soldado matar a bola num racha do quartel. O coitado puxou o revólver e “Bum!” (Só no interiorzão se joga bola com revólver na cinta.) Fica perto daquela que tinha duas sorveterias no largo da matriz. Baixavam o preço todo dia, até que naquela manhã, não abriram — faliram. Juntinho, a outra, que inaugurou o primeiro semáforo. Passou o caminhão à toda e foi parado pelo povo. Da boléia, o caminhoneiro desdenhou: “Nunca vi estrada de boiada com sinal, uai”! Estive lá outra vez e li na fachada do templo de uma seita caça-níquel: “Deu$”. É, mas na cidade-sede daquela região, os lojistas deram um curso para a freguesia aprender a andar na escada rolante do primeiro shopping…

Quem conta é o Eduardo Delábio Rodrigues, professor de Educação Física, por devoção, e corintiano, por ilusão. Eduardo é autor do melhor slogan dos confeiteiros: “Deus escreve certo por minhas tortas”. O fato se deu com o tio dele. Como diz a “Veja”, seu relato:

“Preciso contar uma história que aconteceu com um tio meu, o Claudecir, marido da Terezinha Delabio, irmã de minha mãe.
Ele contou que, chegando um dia à casa dele, um meliante havia arrombado a janela do fundo de sua casa e fugiu quando foi acuado pela polícia. Prontamente, depois de uma hora de muita tensão, ela chegou ao local. O larápio, mesmo perseguido pelos milicianos, conseguiu escafeder-se.

Sem ter uma explicação para dar ao meu tio sobre o ocorrido, o capitão gritou para seus soldados: ‘Olhem! O ladrão usou aquele cavalo ali para pular o muro! Prendam o pangaré e levem o cúmplice para a delegacia! Com esse crime, duvido que o juiz não mande ele capinar para o resto de sua vida os fundos do nosso DP!’.

Não contente com a prisão, virou-se para o meu tio e deu a dica: ‘Se o senhor quiser, por déis mangos eu te dou o arreio, com todo o resto da tralha que o preso possui. Vai aí?’.

Nota não oficial: o fugitivo foi visto semana passada, vestindo uma camisa verde, cantarolando uma sinfonia do Villa Lobos e, claro, assistindo a um jogo da terceira divisão.”

Quer dizer que cavalo que dá sela para ladrão pular o muro é “cúmplice”?

Pregado no poste: “Fidel mata, mas faz”

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *