O ‘balão’ da Good Year

Tenho uma amiga, a Chica, que vai a Paris e não chega nem perto da Torre Eiffel. Foge do Pão de Açúcar; fica no chão e reza de cabeça baixa para o Cristo do Corcovado; mora em Campinas e não olha para o Castelo desde quando viajava no Bonde 10. “Glória a Deus nas alturas?” Nem a pau. Jura que o céu é na terra. Morava em apartamento na Orosimbo Maia e não olhava para a paisagem nem além da cortina. Entrava de costas na sala. Imagine.

Medo.

Certa ela. De que adianta escalar o Everest se não há nada para ver? O simpático e aventuroso balão da Good Year fez fotos maravilhosas a partir dos céus de Campinas. Documento histórico, diz-me a bibliotecária Meyre ‘la’ Fênix, que me mandou o acervo. Histórico, mesmo, porque tem uma bela fotografia do Brinco de Ouro, em breve “ex-tádio” do Guarani.

Tem o campo da Ponte também. Desfilam por essa galeria a Bosch, a Escola de Cadetes, a Pedreira do Chapadão, o Castelo (pula essa, Chica!), os bosques dos Jequitibás (ou do Vicentão?) e o dos Alemães, a Lagoa e a Caravela, o Liceu da Sandy, o Templo dos Mórmons, a “ex-tação” da Paulista, a Catedral (já sem o Alecrim), favelas, a Escola Normal da mestra Célia Frjallat (bem lembrado), o Centro de Convivência, o  Palácio dos Jequitibás e o Mercadão, a Igreja de São José na Vila da Fé, o Teatro Castro Mendes (teatro ou gambiarra?), Viracopos e a Unicamp.

A Chica não subiu na Torre Eiffel, mas passou pelo Arco do Triunfo e até arriscou a Marselhesa. Foi a Roma e João Paulo II sorriu só para ela – mas fugiu da torre em Pisa. Pirâmides? Esfinge? O máximo que aceitou foi a corcova de um camelo. Fez tanta birra que a estátua da Liberdade quase se abaixa e a ergue no colo. Mas a Chica não se entregou. Empire State? E ela conseguiu abrir os olhos quando Fay Wray, Jessica Lange ou Naomi Watts estava nos braços do King Kong 1 – 2 – 3?

E como a Good Year dá um ‘balão’ desses nesta nossa cidade, escondendo o monumento a Carlos Gomes, o campus da Puccamp, o Colégio Culto à Ciência e o Instituto Agronômico? Sem essas instituições, Campinas é uma cidade igual às outras; enquanto tudo o que as outras querem é serem iguais a Campinas…

Pregado no poste: “Cai, cai, balão! Cai, cai, balão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *