Não verás nenhum lugar como este

“Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste! Criança! Não verás nenhum país como este!”

Hoje, Olavo Bilac não encontraria lugar algum que o inspirasse a compor esses versos. Talvez na Noruega, Luxemburgo, Áustria, Islândia, Dinamarca… Até as combalidas economias de Irlanda e Portugal entram nesse bloco do topo da renda mundial. Irlandeses têm uma renda per capita anual cinco vezes a do Brasil e a gente da Santa Terrinha Lusitana, o dobro.

Sim, um Norueguês, por exemplo, com sua renda per capita anual de US$ 81.593,00, ganha, equivalente em reais, 138.708,00 ou R$ 11.559,00 por mês. É aí que o bacalhau norueguês perde a cabeça e ninguém vê. “Ou onde a porca torce o rabo”, diria a imaginária porca bandeira da Escola de Samba Mancha Verde, ao entoar o suino do Palmeiras.

Imagine uma paradisíaca terra do nunca, onde cada indivíduo tem à disposição uma renda per capita anual de R$ 175.280,89 contra os R$ 138.708,00 dos noruegueses. Esse lugar não fica nem no mais rico dos mundos. Está em Campinas, mas não é Campinas. É sua egrégia Câmara Municipal e seus 33 vereadores. Não errei, não! São 33 vereadores. Uma corte disponível para eles de 445 servidores: 65 por mérito, aprovados em concurso público, mais 380 (380!), apadrinhados, que não tiveram de disputar emprego com ninguém nem dar satisfações ao povo – forçado a pagá-los na marra.

Juntos, edis e séquito, dividirão um bolo de R$ 78 milhões tirados do povo no ano que vem. Claro que os edis ganham muito mais do que os que os cercam, mas a esses dados, nem o povo que paga tudo tem acesso. É como se o empregado de uma empresa negasse ao patrão o direito de saber quanto o mesmo patrão paga a ele por mês.

(A Kate Lyra criou o bordão “Brasileiro é bonzinho…” ao sair de um desses parlamentos da vida? É certo que o Pelé disse “Brasileiro não sabe votar” ao sair do Congresso.)

Outra crueldade vem agora: a renda per capita do povo de Campinas é de R$ 10,8 mil (por ano!). O IPTU médio de uma residência em Campinas neste ano foi de R$ 640,00. Morra de raiva: foi preciso o IPTU de 115.625 residências para sustentar o mundo dos vereadores em 2010. E eles querem ganhar mais no ano que vem. Quando um político falar em distribuição de renda, pergunte quanto ele ganha.

Pregado no poste: “No Brasil, imposto é relação custo-malefício”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *