Gratidão

A operação policial foi tão secreta que nem avisaram a polícia. A notícia dos tiros que a polícia disparou contra o helicóptero da própria polícia, aí em Hortolândia, só pode ter saído na seção de humor dos jornais portugueses. E se eu trabalhasse num deles, publicaria na mesma seção. “Vingança é um prato que se come frio, ó pá!”. Tanto gozam os portugueses nesta terra descoberta por eles, que é chegada a hora deles.
Aqui no nosso Correio popular tínhamos um editor de assuntos internacionais, o maravilhoso Antônio Joaquim Hermenegildo Filho, e por respeito à sua figura, vez ou outra, não se publicavam certas ocorrências pitorescas da santa terrinha. “Deixa pra lá, ó Carlito…”, dizia ele ao Carlos Tôntoli, secretário de redação, outro jornalista de primeira grandeza.
Mas sabíamos de fatos mais ou menos assim:
PORTO – A prova pedestre em homenagem ao general Craveiro Lopes teve de ser cancelada, posto que o tiro de partida pegou no pé do favorito.
PÓVOA – Terminou de forma trágica a reconstituição de um crime hoje à tarde. Deram a arma carregada ao meliante, que a descarregou na indigitada testemunha.
CALDAS DA RAINHA – Um autista (motorista) morreu hoje atropelado pelo próprio carro. Depois de estacionar na ladeira, o freio do auto se soltou e o infeliz tentou segurar o veículo com os próprios braços, mas pela frente…
LISBOA – A inauguração da nova estação do trem metropolitano foi adiada. Depois de pronta, percebeu-se que ela é bem mais curta do que os trens.
LISBOA – O rebelde Henrique Galvão foi preso hoje no aeroporto, acompanhado de sua secretária. Apesar de muito bem disfarçado, foi fácil sua identificação pelos agentes da Pide (polícia secreta do ditador Salazar). Galvão tinha o prendedor de prata luzindo na gravata com seu nome.
BELÉM – Por pouco não morrem tragicamente todas os grandes próceres nacionais hoje pela manhã. Em uma exibição da Força Aérea, em vez de tiros de festim, os aviões dispararam artefatos de verdade que alcançaram as cercanias do palanque das autoridades.
HORTOLÂNDIA (perto de Campinas, SP) – Agentes penitenciários desta cidade brasileira dispararam tiros de verdade contra o helicóptero da Polícia Militar, que sobrevoava o local para impedir fuga de presos. Soube-se aqui que, em Lisboa, a estátua de D. Pedro I, amanheceu com os seguintes dizeres: “A Dom Pedro I (Dom Pedro IV de Portugal), proclamador da independência do Brasil, a eterna gratidão do povo português.”
Pregado no poste: “Já pediram pra soltar os seqüestradores do Olivetto?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *