Fique bonzinho!

— Com quem eu falo?

— Com quem você quer falar?

— Com o senhor…

— Jesus Cristo não tem telefone…

— Desculpe… ‘Você’. Aqui é do Banco Virtual e nós…

— Agora, isso! Até banco é virtual!

— Queremos estar apresentando ao senhor…

— Senhor é seu avô!

— É que nós temos ordem de estar tratando o freguês assim… É um serviço novo para clientes especiais.

— Nunca fui cliente desse banco e vocês já me tratam como cliente especial. E que raio de banco é esse que tem freguês? Botequim? Assim, a credibilidade do banco me deixa em dúvida. Sabe o Groucho Marx?

— Quem?

— Deixe pra lá. Ele dizia que jamais seria sócio de um clube que o aceitasse como sócio. Você acha que eu vou aceitar ser cliente de uma banco que me considera especial sem eu nunca ter sido seu cliente?

— O senhor esta sendo especial para nós. Esse novo serviço estará permitindo que com o nosso novo cartão o senhor estará tendo acesso a todos os estabelecimentos comerciais da cidade, shows, eventos, espetáculos teatrais sem estar entrando em filas nem estar tendo de ficar enfrentando cambistas…

— Tem de pagar?

— Agora não. Basta o senhor estar abrindo uma conta conosco que o cartão estará sendo entregue automaticamente para o senhor…

— Eu não tenho dinheiro. O pouco que ganho dá para comer um pouquinho; quando almoço, não janto; quando janto é mingau de leite pedra. Fui desempregado pelo governo Lulla, que desviou os recursos de minhas oportunidades de emprego para sua base aliada, e pela política do Palocci. Fiquei fora do mensalão.

— Mesmo assim, o senhor não quer tentar?

— Vamos fazer um acordo. Sugiro que você pare de ligar para pessoas de bem, aqueles que ainda têm trabalho e vivem dele, e vá buscar dinheiro com quem tem. Vou ajudar você: leia os jornais, as revistas, assista aos jornais da TV, ouça rádio. Cada nome que surgir no notíciário das CPIs e nas páginas policiais, você anota.

— Meu senhor, a nossa lista de telemarketing é entregue pela direção…

— Então, atualize a lista de seu calcenter – não é assim que se chama isso? Não confunda calcenter com calcinha nem cueca. Nem mailing list com mala-list. É com essa cambada que está o nosso dinheiro.

— O senhor está brincando!

— Não se esqueça daquela cafetina Jane Não Sei das Quantas, que gosta de receber gente grossa para comemorar o Dia das Mães, em Brasília. Você nem imagina quantos filhos ela tem! Todos podem ser clientes do seu Banco Virtual. Esses, sim, são especiais!

— Já que o senhor não está querendo ser nosso cliente e está morando aí em Ribeirão Preto, me conte: esse tal de Rogério Buratti…

— É muito curioso. Ele foi inoculado em nossa sociedade, importado de Osasco, por um elemento de nome João Paulo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados. Ordem do partido, aquelas coisas. Ele era assessor do Zé Dirceu, do próprio João Paulo e do partido da dona Izalene e sua turma (É PRECISO QUE OS CAMPINEIROS NUNCA SE ESQUEÇAM DISSO!!!)

— Nossa! Não precisa gritar desse jeito no meu ouvido!!! Doeu, viu?

— Doeu o grito ou nome dela e sua turma?

— Mas foi tão ruim assim?

— Foi pior, muuuuito pior! E o mundo precisa saber!

— E depois?

— Quando o jovem Palocci, trotskista, egresso da Libelu, se elegeu prefeito de Ribeirão, foi obrigado a engolir gente de fora em sua administração. Ordem do Soviete Supremo, digo do partido. Isso aconteceu em todas as cidades. Teve até uma prefeita que se apaixonou pelo assessor, largou o marido e se casou com o elemento.

— É verdade! O senhor está falando da…

— Cale a boca! Meu telefone está grampeado. Imagine que o coitado do Rogério (moço bão tuda vida!) conhecia tanto a cidade onde ele seria secretário de Governo, que no dia da posse, saiu do hotel e pediu um táxi para ir à cerimônia na prefeitura. Sabe o que o porteiro do hotel disse pra ele? ‘A prefeitura é esse prédio aí na frente!’

— Ele morava no hotel?

— Com as malas e tudo!

Pregado no poste: “Fiquem bonzinhos, se não dona Izalene se candidata de novo!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *