Entrada franca – 2

Certos ‘causos’, só em Franca, a Vila Franca ao Imperador Pedro I, que, aliás, nunca esteve lá. Primeira comarca brasileira onde foto de cadáver fez parte dos autos de um homicídio. Como não conseguissem fotografar a vítima deitada, colocaram o morto em pé, de braços dados com dois soldados. (Coisa horrorosa!). No Arquivo Municipal de Franca, o grande mestre historiador José Chiachiri Filho diz o ano exato de um documento, só de passar os dedos pelo papel – nosso “Chiacha” é cego.

Em Franca, um trombadinha de 11 anos pulou a janela da delegacia, caiu no pátio e fugiu ao volante de um carro da polícia. Perseguiram o capetinha até Claraval, já em Minas, porque a viatura empacou num mata-burro. Se não, os guardas teriam morrido ali mesmo, de raiva, quem sabe?

Numa faculdade de Direito da Franca (não as de respeito), um aluno do quarto ano lecionava Medicina Legal no terceiro, só porque era auxiliar do Instituto Médico Legal — confessa que aprovou ele mesmo no exame final. Escola tão boa, que um de seus bachareis era vendedor de gás e consertador de fogão: “Dá mais…”

Delegado passa apertado em Franca. Chegou um pedreiro sangrando nos fundilhos. Contou, meio envergonhado, que a caminho da obra, precisou gabar-se de suas necessidades fisiológicas de repente. Quando obrava, foi atacado por um pastor alemão e desmaiou. Desconfiado, seo “dotô” apertou o apertado: “Tem certeza de que foi um cachorro!? Tem certeza!? Fala, seo cachorro!” Quase miou.

Um pai, classe média média, chegou à casa meio alto, pela primeira vez, e aos gritos. Disse para a esposa assustada:

— Acabei de colocar aqueles dois pirralhos debaixo de cinta no quarto! Já falei que não é para brincar na rua de noite!

— Mas como!? O Junior e o Pedrinho estão dormindo faz tempo!

O “pai” tinha espancado e enjaulado os filhos do vizinho…

Terça para quarta-feira passada, recorde absoluto, descoberto pelo fantástico Rene Moreira, repórter do portal “Cosmo”, na Franca. Logo de manhã cedinho, a motoqueira “mãe de santo” enfurecida entrou numa escola e saiu no tapa com as alunas. Rolaram no chão. Só porque uma a chamara de ‘sapatão’, na véspera. Jurou na polícia que é Pombajira e, por isso, seu negócio é homem. Da delegacia, parou numa loja de conveniência, comeu, bebeu, roubou vinho e cerveja e não pagou. Pega de novo, disse que está se divorciando, mas o ainda marido pagaria a conta. Esclareceu porque abriu as garrafas, para não devolvê-las: “Já viu fazer oferenda de garrafa fechada? O ‘santo’ não aceita, zifiu!”. Depois, baixou num armazém e… outro esparramo com a cunhada. Fugiu. Detida na blitz, por falta de habilitação, foi pra casa, pegou a carteira e se safou de novo.

Último ato: foi para o motel com travesti na garupa; no sexshop do lugar, surtou. Ligou para a recepcionista avisando que ia botar fogo em tudo. Salva pelos bombeiros, acabou presa só porque não tinha R$ 350,00 para a fiança.

Pregado no poste: “Na Granja do Torto há ovo de serpente?”

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *