Dia das Mães. E das mulheres

Recebi. Quem é o autor?

“Parei para observar as mulheres: não são humanas, mas espiãs de Deus, disfarçadas.

Duvida do sexto-sentido delas? Como explicar? Sabem exatamente quem, numa reunião, é a que dá em cima de você. E quando ela antecipa que alguém tem algo contra você, alguém está adoecendo ou você quer acabar o relacionamento? E quando ela diz que vai fazer frio? Rio, 40 graus, você vai pegar um avião pra São Paulo. Ela fala pra você levar um casaco, ‘porque vai fazer frio’. Você não leva. O avião fica na pista quase duas horas, depois que você entrou. Do ar condicionado chega a pingar gelo de tanto frio! Começam os murmúrios: “bem que minha mãe avisou”; “minha namorada tirou meu casaco do armário e eu não trouxe”… Mas as passageiras tiram seus casacos das bolsas. Como elas sabiam?

O sexto-sentido não faz sentido! É comunicação direta com Deus! As mulheres são mães! E preparam gente dentro de si. Será que Deus confiaria tamanha responsabilidade a um reles mortal? Geram a vida e insistem em ensinar a vivê-la, íntegra, dando amor incondicional e disponibilidade total.

E a beleza? No reino animal, em geral, o macho é mais belo. Mas a raça humana foge à regra… As mulheres choram. Ou vazam? Ou extravasam? Homens choram, mas é choro diferente. As lágrimas das mulheres têm um não sei quê que não quer chorar, de fragilidade, de amor, de tempero divino, que têm um efeito devastador sobre os homens… É choro feminino, choro de mulher…

E como conversam com os olhos! Pedem uma a outra para mudar de assunto só com o olhar. Fazem um comentário sarcástico com outro olhar. Apontam uma terceira pessoa com outro olhar. Elas conhecem todos os olhares! Devem freqüentar escolas diferentes das dos homens. E é com um desses milhões de olhares que os enfeitiçam.

Tem mais! Nas profissões, por que se concentram nas áreas de
Humanas? Para estudar os homens, claro! Algumas disfarçam, estudam Exatas… Nem Freud se arriscou nessa seara. Ele, que sondou como poucos o comportamento humano, disse que a mulher é “um continente obscuro”. Quer evidência maior?

Quem ama se aproxima de Deus. Com as mulheres também é assim. O amor as leva para perto d’Ele, já que Ele é o próprio amor. Por isso dizem estar nas nuvens, quando apaixonadas. Elas confundem sexo e amor. E isso seria uma falha, se não obrigasse os homens a uma atitude mais sensível e respeitosa com a vida. Pena que nunca verão as mulheres-anjos que têm ao lado. Com todo esse amor de mãe, esposa e amiga, ainda são mulheres a maior parte do tempo. Mas elas são anjos depois do sexo-amor. Nessa hora, se sentem o próprio amor encarnado e voltam a ser anjos. Levitam. Algumas voam. Mas os homens não sabem disso. Nem poderiam, porque são tomados por um encantamento que os faz dormir nessa hora.”

Pregado no poste: “Parabéns, mães!”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *