Cheios de graça – 2

Há quanto tempo você não se confessa? Desde ontem? Então, vamos concluir hoje nossas lembranças dos padres eternos de Campinas. Havia o padre, depois ex, Lázaro Mütchelle, na Igreja do Carmo, sucedido pelo legendário Geraldo Azevedo, que ensinava: “Nenhum casal passa brigado pelo ‘O pão nosso de cada dia’, se rezar junto”.

A Igreja de Nossa Senhora Aparecida, Jardim Proença, era do padre Machadinho. Esse era fogo: monsenhor Jerônimo Baggio, na igreja do Coração de Jesus, Botafogo. Mulher sem véu ele punha fora da fila da comunhão. Tinha um Prefect preto e só o Geraldo Trinca sabe até onde ele ia com aquele carrinho…

No Divino Salvador, ex-São Judas Tadeu, Avenida Júlio Mesquita, era o padre Claudino Vaz que dizia as missas. Na Nossa Senhora das Dores, o fantástico padre Landell, inventor do rádio e dos princípios da telefonia sem fio, que deu no celular. Expulso da cidade, porque a irmandade dizia que ele tinha “parte com o diabo”.

Ainda na igreja do Carmo, padre Júlio tocava Beatles antes da missa, para provar que aquela música nada tinha a ver com a liturgia. Pois é, mas John Lennon acabou “mais popular do que Cristo”. Na Puccamp, além do inesquecível monsenhor Salim, o capelão Luís de Abreu, que pegou em armas em 1932. Gente boa! Gente fina, também, o padre Narciso Ehremberg, da paróquia de João Aranha, uma das pessoas mais inteligentes e sensíveis que conheci. Perseguido pela ditadura, foi assassinado em circunstâncias até hoje mal explicadas, em 1975. O colégio Pio XII sempre foi chamado de escola do padre Couto. Na verdade, ele era mais popular — e pio — do que aquele papa.

Os dois primeiros progressistas: padre Bush, no Jardim Eulina, e De Nadai, também no Divino Salvador. E o Milton Santana, no Taquaral, onde ele mesmo ergueu o primeiro posto de saúde da cidade, no salão paroquial.

Briga de padre é gozada: em vez de acabar em pizza, acaba em hóstia. O Renato Otranto se lembra de um que rezava a Ave Maria no estúdio, quando o outro apareceu. O que rezava fez sinal para o técnico cortar o som por um instante. Ficou assim:

— Ave Maria! Cheia de graça…

(Corta! Corta!)

— C@s#f*d!a”p@v!!! O Senhor é convosco…

Padre Caran! O Alecrim manda lembranças — do Céu!

Pregado no poste: “Campinas tem a única drag queen mulher do mundo”

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *