Agora é que são elas…

Há cem anos comemoraram o Dia Internacional da Mulher, mas as minhocas na cabeça dos homens continuam as mesmas:

Você faria exame de próstata com uma médica?

Por que os jornais não têm suplemento masculino?

O governo deveria criar a delegacia de defesa do homem?

E o conselho estadual da condição masculina?

Você entra tranquilamente num táxi dirigido por uma mulher?

Como você reage se sua mulher deixar uma revista “G-Magazine” no banheiro? E um vibrador dentro do travesseiro (dela)?

Você pediria uma mulher auto-sustentável em casamento?

Você fez vasectomia, mas encontra várias camisinhas na bolsa dela.

Trocaria o aspirador de pó da sua mulher por um carro zerinho?

Você a deixaria contratar um empregado doméstico?

O que você faz se ela entra em casa cheirando a cecê, chulé e cigarro, de chuteiras e suja de barro? Solta um palavrão? E se ela responder com outro, como aquele “É a sua!”. E sua mãe está na sala…

O ex-marido dela chega com a nova titular absoluta dona da posição ao mesmo restaurante. Por educação, sua nova matriz, que já foi dele, os convida para todos almoçarem juntos. Você deixa o ex dela pagar a conta?

Vocês estão falidos e o cabeleireiro dela propõe uma noite com você, em troca da quitação de suas dívidas. Você topa? (Aconteceu nessa cidade onde você mora, uai!)

Ela é fã da Ângela Ro Ro, Zélia Duncan, Bethânia, Joana, Calcanhoto, Leila Pinheiro, Leci Brandão, Ana Carolina, Simone, Aracy de Almeida… Incomoda você? Ou é prova de bom gosto (musical)?

Enchente na estação rodoviária do Tietê – ela pode voltar de carona com um colega de trabalho para Campinas?

Imagine esta cena: você vai com sua mulher àquele motel pela primeira vez. Na entrada, o porteiro a saúda pelo nome. (Também aconteceu nesta cidade… Foi no extinto motel Bradesco da Via Anhangüera.)

Ela é ponte-pretana; você, bugrino. Ela pode assistir ao jogo com a galera da ‘Macaca’ no Majestoso, sozinha, ou você veste uma camisa da Ponte e vai junto? (Duvido!)

Vá para a cozinha, faça café e sirva para sua mulher e as amigas dela que estão reunidas para decidir quem fará o próximo anúncio da Valisère no Largo do Rosário.

Ela pode ir à parada gay usando uma camiseta com o arco-íris? (Aconteceu com uma jornalista de Campinas lá no Canadá. Ela jura que foi sem querer. Eu também.)

E se na formatura do filho deles, o ex-dela tirá-la para dançar?  (Pior se ele tirasse você , né?)

Pregado no poste: “Se você ‘acorda com a macaca’, ela pode acordar com o bugrino?”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *