A lei, para os mais fracos

José Zeferino da Silva, o “Zeca dos Passarinhos”, brasileiro, casado, desempregado. Detido por fiscais do Ibama, espancado e engaiolado por tentar vender um casal de papagaios na feira de Duque de Caxias (RJ). Crime contra a natureza, inafiançável. Foi visto numa cela infecta e promíscua de delegacia, comendo o pão que o diabo amassou.

José da Silva, descascador de árvore. Brasileiro, casado, desempregado. Detido pela polícia e engaiolado por descascar árvores para fazer chá para a mulher doente. Crime contra a natureza, inafiançável. Foi visto numa cela infecta e promíscua de delegacia, comendo o pão que o diabo amassou.

Henri Philippe Reichstul, de origem estrangeira, presidente da Petrobrás, estatal responsável pelo derramamento de 1,29 milhão de litros de petróleo da Refinaria de Duque de Caxias que poluíram a Baía de Guanabara (RJ) em 18/01/00; pelo rompimento da vedação de uma monobóia, que espalhou 18 mil litros de óleo perto da praia de Tramandaí/RS, em 11/03/00; e mais recentemente, o vazamento de mais de quatro milhões de litros da Refinaria Getúlio Vargas, em Araucária (PR), manchando em mais de 20 quilômetros os rios Barigüi e Iguaçu, matando milhares de peixes e pássaros. Crime contra a natureza, inafiançável. Encontra-se em liberdade. Foi visto jantando num restaurante do Rio, enquanto a multa de milhões de reais será paga pelo povo. Talvez até a conta desse jantar.

Glauce Fleury, jornalista brasileira, solteira, repórter do Correio Popular de Campinas, detectada por internautas de todo o mundo com esta mensagem de protesto por causa da injustiça que se comete contra a natureza e contra a natureza dos homens no Brasil — país onde ricos e pobres são cada vez mais desiguais perante a lei. Glauce foi vista em estado de extrema indignação. É a nossa esperança, porque no dia em que as mulheres (e homens) perderem a capacidade de se indignar contra os poderosos, os próprios poderosos estarão perdidos.

Pregado no poste: “Os ambientalistas não se manifestam contra a Petrobrás?”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *